\\ Pesquise no Blog

terça-feira, 3 de maio de 2011

O FOGO DO DRAGÃO

Depois do ensaio, Eu Nina e Marília desatamos em uma conversa que durou até as duas horas da tarde. foi quase uma extensão do ensaio, uma conversa provocada pela provocação que o texto do Diogo acendeu. Com certeza uma das conversas mais importantes que já tive. Não conseguíamos parar de falar, a conversa que se iniciou com todas sentadas em roda em gestos tranqüilos e pacatos, terminou com as três de pé, quicando o corpo e sorrindo exaltadas.


Idéias e conceitos não se comunicam, indivíduos se comunicam, diz Nina

O QUE É O PROGRESSO? Sim, o que é o progresso Marília? Sim Marília, O que é o progresso Flávia?

As três falam juntas: O que as pessoas acham? Que progredimos? É claro que não, não progredimos, não existe progresso, o que existe são diferenças, o que existe são mundos se cruzando e coexistindo ao mesmo tempo, o que existe são coisas que de um lado melhoram e coisas que de outro pioram, não progredimos, somos seres potencialmente escravocratas, potencialmente revolucionários, potencialmente suicidas, potencialmente adoráveis, e isso desde sempre, tudo depende de que potencial você quer despertar, tudo depende da escolha que você vai fazer. Continuamos sendo os mesmos de sempre. Ainda bichos, ainda homens, sempre bichos, sempre homens, com mais ou menos linhas de telefone, contatos no facebook, dólares no Santander, com mais ou menos espinhas, cabelos e dentes. Ainda que diferentes, sempre os mesmos.

Ainda dizem que os animais não são inteligentes, diz Marília

Ainda dizem que os aborígenes não são inteligentes, diz Nina

Coloquei meus amigos da economia contra a parede, digo eu. Cheguei pra eles e disse: vocês ainda pensam que progresso é crescimento econômico? Vocês realmente ainda pensam assim? Progredimos quanto mais lucramos, quanto mais enriquecemos? Uma nação progride quanto mais rica ela se torna? Esse foi o discurso feito pelos economistas no século XVIII, naquela época eles pensavam assim porque o homem na sua inquietação profunda não poderia sossegar enquanto não mapeasse tudo, enquanto não descobrisse tudo e mexesse em tudo, o homem e sua mania de grandeza, o homem e sua faminta compulsão por carne e ouro...naquela época (séc. XVIII) tudo tendia para a exploração de pessoas, terras e riquezas. Só que as coisas mudaram vocês não percebem? Não existe mais terra a ser explorada, o homem decodificou tudo, nomeou tudo, não existe mais riqueza que possa dar conta da ganância do homem, o que existe é uma saturação, um cansaço, um já deu, já chega. Estamos todos cansados. Cansados de ter que rebolar um ano inteiro pra ganhar um salário que não paga o plano de saúde e muito menos a felicidade de sentar no alpendre de uma casa, respirando um ar puro e olhando o por do sol, estamos cansados de caminhar e caminhar e não chegar nunca lá, porque o lá é uma piada, uma ilusão, um nada.
Não estamos aqui pra isso...

O homem está cansado de olhar tantas vezes pro lado errado. Ao mesmo tempo que digo isso penso que é um saco falar mal de tudo. Não quero mais, não agüento mais ficar lamentando, pensando por quê? Porque somos assim? Tão fúteis e destruidores, tão mesquinhos e covardes? Não enfrentamos nada, fomos nos protegendo de tudo que nos mata e nos escondendo, mentindo, desviando...não quero mais pensar assim, existe um outro lado, existe uma beleza grandiosa no homem, olha a gente aqui, um beleza intensa e transformadora, não existe Nina? O que somos Nina, um erro?
Não sei Flávia, acho que é como você disse, depende de que lado você quer olhar, um dia o homem disse: eu!,Olhou pra ele e se viu, um ser separado de si mesmo, olhou e disse: eu! Olha que loucura! O homem ganhou a fala e com ela uma condição intrínseca ao homem,: somos um ser que fala, somos aqueles que dizem: eu. E essa consciência é transgressora. Eu Também acho Nina, acho que isso que chamamos “inteligência” é uma dádiva que nos foi dada, na verdade pode ser uma dádiva se por exemplo a inteligência nos servir pra entender que o que chamamos de progresso é a destruição daquilo que deveríamos proteger.
O que somos Marília, um erro?
Acho que sim Flávia, acho que perdemos um elo importante, acho que perdemos o sentido de coletividade, perdemos a ligação com o todo a partir do momento que quisemos dizer quem somos, não somos nada, somos parte de um todo que é muito maior que a gente. O homem é egocêntrico, isso me entristece, o homem é extremamente egocêntrico.

Silêncio

Sinto que posso parir uma galáxia, diz Marília.

Risadas

Mais conversas sobre o suicídio, o instinto suicida, a depressão....

Suposta conversa entre Rita e Cecília:

Rita: Não Cecília, eu já li muito sobre isso, estou te falando, os médicos falam, a depressão não tem haver com você é só alguma coisa que seu corpo deixou de produzir, é química sabe?

Cecília: Rita, a depressão não é simplesmente química, não é simplesmente algo que meu corpo deixou de produzir ou nunca produziu e que me deixa depressiva, a depressão está intimamente ligada com quem eu sou, com que olho eu olho o mundo, com o que me afeta e deixa de afetar, ou com o que não me afetava e passa a me afetar.

Um comentário:

Flávia Naves disse...

Nina e Marília, só tenho a agradecer pela conversa franca e poderosa que tivemos. Vejam que fiz um mix do que falamos tentando me lembrar de coisas que vocês falaram sem me ater a veracidade integral dos fatos. Se lembrarem de coisas, de palavras que seja, de frases, não deixem de postar. beijos