\\ Pesquise no Blog

sexta-feira, 6 de maio de 2011

Para Andréia,

Prego

faz dias que nada fica.
nem feito memória
nem feito cicatriz
tudo a qualquer tempo de mim se afasta
e nada sobra.
ventania sobre as coisas no quarto postas.
os livros impacientes
a poeira reinando e ausente
tudo em pleno movimento
exceto o íntimo
móbile inerte.
o que espera,
pergunto a mim.
e num silêncio movediço
sinto fome
sede e desejo
e nada enfim salvo aqui em mim
permanece.
o que espero,
pergunto a ti.
e resta nuvem precipitando
o seguir do dia e da noite.
nada difere.
tudo em abandono.
por que se enerva,
pergunto a mim.
porque se enervo,
pergunto a ti.
não quero deter respostas.
eu só pergunto.
eu só,
pregunto a ti.

Nenhum comentário: