\\ Pesquise no Blog

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

reverso

Você entende, eu sei. Pintei as unhas e escrevo à lápis sobre areia seca e cascas de arvore. Ficou tudo sujo, assim, borrado. Você sabe. Eu sei. Foi reverso, ao contrario. Minha bexiga encheu enquanto eu urinava. Não pude controlar. E agora isso. O esmalte molhado e a areia seca a grudar resistências sobre o meu fazer atrapalhado da vida. Faz tempo. Que não faço algo de que eu possa me orgulhar. Sim sim, é inicio do fim da alma. O inicio do anulamento dela, do querer dela, do pulsar. Essas coisas que acontecem quando chove no verão. E de repente temos frio pois o corpo queimou demais no sol do belo dia que se foi. Se foi. Foi-se. Lá está! Você vê? Ali sobre o mar parado. Se afastando. E aqui uma dor sem fim nem inicio. Quando foi? Que começou? Tudo isso?
Querer apagar-se. Do mundo. Indefeso de mim. Estou aqui para destruir-te, mundo. Sou sua filha ruína. Você sabe. Eu sei. E por isso nos olhamos desse jeito, meio amargo. Reconhecemo-nos logo no nascimento. Sua doença, meu principio; um refluxo do ventre fêmea. Fluxo reverso. Embotei-me ao fazer o mesmo a ti. Tenho você em minhas mãos, prontas para esmagá-lo. Ignorar tua beleza. Para mim é futilidade. Agora, antes não. Apenas agora. Antes era bom. Era claro. Eu sabia, você sabia, o saber do bom agrado ao coração amparado justamente por essa futilidade que agora desprezo.
Não me culpo. Não há espaço para isso. Sou seca. Infértil agora. Não antes. Agora, apenas. Meus dedos gotejam o sangue de seu estrangulamento. O esmalte vermelho da representação de nossos fins amarrados. Enlaçados um ao outro. Gêmeos. Cansados. Eu pari imagens que hoje se dissolvem na maresia triste de Copacabana. Não sou capaz de capturá-las. Deixo escapar. Eu deixo. Elas se vão.

Um comentário:

Flávia Naves disse...

Reverso....foi-se. Quando foi? que começou? tudo isso? Eu Flávia te pergunto Nina, quando foi? Eu também gostaria de saber e não só o quando como também o onde e o porque. bobagem. não tem explicação. acho que não tem, mas resta a inevitável curiosidade: o que é que a gente sabe que não deveria saber?
obrigada pelo encontro Nina.