\\ Pesquise no Blog

sábado, 27 de novembro de 2010

Senti vontade de me jogar no ventilador e me joguei

Fechem os olhos se for preciso.

II

Essa sua verdade me atravessa

Com seu um milhão de sentidos

Que me captam

Você me pulsa

E a vida grita

No calor dos corpos e da terra

São tantos os hipócritas que nos acompanham

Mas estamos cheios de mar e mangue

E sol,bicho e fruta

A vida é mais

escuta



III

Duro é dormir só em uma cama preparada para dois

A voz não soa

Mas a palavra ecoa dentro rasgando pesado veludo

Como é que se costura?


V

Não quero só as coisas boas

Eu quero todas as coisas

Quero inclusive amar

Um Homem

Como se ele fosse milhões



Desembriagando de uma angústia qualquer

Licença Deuses do Olimpo

Licença Nanã,Xango,Iansã,Oxum,Oxala,

Licença meu São Jorge

Eu vou entrar,de verso na mão

Nesse mato sem cachorro

Em busca das minhas alegrias

Porta Porteiro garfo

Serralheiro pano de chão,cozinheiro

pianista,trapezista,açogueiro,

fósforodinheiropãopadeirobanqueiroboqueteiro

Nossa embolou..................................................................................................................................................................................................................

Não,mamãe

Eu quero ser marginal

Foi muito amor demais

Hoje eu só quero comer tempo de recorde olímpico pelas beiradas

Sem sapatos porque eu quero sentir o chão

Quero dizer matematicamente não

Embora saiba que tenho que pagar o pão

Antes que me consuma uma fome qualquer

Eu quero mesmo é morrer cantando de tanto voar

E finalmente depois de tanto sentir

Poder ficar completamente sem sentido



Toca Raul

Quando você me olha

Seu olhar encontra a mim

E minha multidão

Quando você me olha

Seu olhar encontra um pássaro

Um gato,tartaruga,pigmaleão

Quando você me olha

Seu olhar encontra uma ponte

E do outro lado estão os seus sonhos entre coisas desconhecidas

Quando você me olha

Seu olhar encontra terra fértil

E muito espaço de céu azul e água do mar

Mas se você não me olha,amor

Ficam todas essas coisas aqui

Pulsando em um invólucro de 1,65m

De cabelos lisos e castanhos



Não acredito nas coisas que nasceram para boiar

Acredito nas coisas que nasceram para escorrer

Por todo meu corpo

E um dia sair voando



Aprendizado

Uma ilia me ensina silêncio

Para ouvir os segredos do Mar



Entrega

Tantas vezes usei a entrega como isca

Para matar a fome de ter o outro

Assim como muitas vezes tive que entregar o que eu não tinha para dar

Um simulacro de coisa recheado com nada dentro

Entreguei também meu pudor,meu tesão,minha mão

Tarefa de casa,filmes na locadora,o vestido que minha amiga me emprestou

Uma vida de muita entrega

Mas desde há muito tempo que carrego em mim

O desejo de uma entrega nova

A entrega de uma claridade que habita as minhas entranhas

De uma arvore incandescente que germinou no meu peito

De um pássaro que se aninhou nos meus pulmões

Algo que cresce dentro e qualquer dia ganhara naturalmente meus espaços extra corpóreos

Vou entregar os filhotes do meu desejo ao mundo

Nasci gestando esta entrega

E vou pari-la, eu sei

Silêncio por silêncio

Palavra por palavra

Gesto por gesto

Movimento por movimento

Transformando todo congelamento em liquidez



Minha casa

Minha casa tem cheiro de horas bem dormidas

De homem na minha cama e insônia no sofá

Tem cheiro de dança a vontade no meio da sala

Sons de quadros nas paredes me decoram

Pois me sabem de cor

Minha casa tem gosto de bolo saindo quentinho no fim da tarde

Gosto de banana frita com açúcar e canela

Perfume antes de ir para a festa

Com sabonete

Roupa recém passada

Flores que chegaram no aniversário

Hoje a habitam

Tudo aqui me revela

553,606

22240-005,3268-0607

Sei que não reverbera em nenhum lugar

Mas me soa familiar




Um comentário:

Flávia Naves disse...

que boma. essa entrega toda...é intenso, é lindo é poesia em tom verdadeiro. Tanta coisa boa ainda tenho por descobrir nessa vida...é bom viver. obrigada

"Vou entregar os filhotes do meu desejo ao mundo

Nasci gestando esta entrega

E vou pari-la, eu sei

Silêncio por silêncio

Palavra por palavra

Gesto por gesto

Movimento por movimento

Transformando todo congelamento em liquidez"