\\ Pesquise no Blog

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Traços para Atravessamentos Possíveis - 01

Para atravessar é preciso cruzar a linha
Qualquer linha toda linha tudo nela que estiver contido
é cortado
Partido não necessariamente ao meio
mas minimamente cindido
fendado
tornado corte
tornado corpo arrasado.

A saber:
atravessar um peito é quando vem de dentro um tiro que te perfura ao contrário.

A saber:
atravessar a linha de segurança do metrô e flertar com vento e vagões.

A saber:
atravessar a ponte rio-niterói pensando em quedar.

Para atravessar é preciso vulnerabilidade. Não há atravessamento possível que seja ensaiado, que já seja sabido, que seja minimamente decorado. Atravessar pressupõe incerteza. A incerteza do contato que virá. A incerteza se virá o contato. a incerteza sobre aquilo que fica e sobre o que vem (sobre aquilo que achamos ficar e não fica – sobre o que achamos chegar e não chega).

Para atravessar é preciso indiscrição. É preciso se deixar formar dentro do corpo um ponto de exclamação. Onde a cabeça é o ponto e o corpo a exclamação. O corpo gritando e virando o mundo para baixo. Para atravessar tem que ser gritando! Ainda que em profundo silêncio. Ainda que o atravessar seja o verbo amando.

Atravessamento é gerúndio. Não é antes. Nem só depois. É o meio dilatado entre o que fica e o que chega. É meio-termo. É corte exposto e ainda não todo coagulado. Ferida aberta em corte e suculenta ao expor seu íntimo, seu recheio.

Como ser espaço para o acaso?

Máxima um) o acaso só nos chega por atravessamentos.

Como ser espaço para atravessamentos?

Dois) aprender a flertar com o mundo.

\\
Diogo Liberano

2 comentários:

Diogo Liberano disse...

o que o acaso nos gerou em nosso primeiro encontro? o acaso parece sugerir a necessidade da profundeza, parece impedir que se fique apenas sobre a pele... sei lá, nosso primeiro encontro mudou tudo... ainda bem. bem vindos, queridos (do verbo querer)!

Diogo Liberano disse...

leiam de novo,
leiam de novo
de novo, por favor!